Saúde

Tireoide

Hoje falaremos sobre os hormônios da tireóide.

Sabe-se que com o aumento da idade há mudanças na produção de hormônios da tireóide, com redução dos mesmos e também da taxa metabólica basal. Entretanto, apesar de alguns defenderem a reposição destes hormônios como forma de deter ou retardar o envelhecimento, esta prática não é autorizada, uma vez que:

1) estudos têm verificado que, em geral, estas mudanças são formas de adaptação, e portanto protegem o organismo.

2) a reposição de hormônio tireoidiano sem que de fato haja um hipotireoidismo clínico ou subclinico com alteração efetiva de TSH oferece riscos, tais como arritmias cardíacas e piora de massa óssea, agravando quadros de osteoporose ou osteopenia, entre outros.

Portanto, a investigação da função da tireóide é indicada em todos com mais de 35 anos, porém o diagnóstico de alguma disfunção na glândula deve ser feito com cautela. A detecção de hipotireoidismo clínico ou subclinico permite que se inicie o tratamento, com grande melhora na qualidade de vida do paciente; por outro lado, um diagnóstico incorreto faz com que o paciente acredite ter uma doença que não tem e passe a usar uma medicação que, nesta situação, trará grandes prejuízos a sua saúde.

Algumas situações em que não se indica começar hormônio tireoidiano:

1 – pessoas com um só exame de TSH alterado (é preciso repetir e complementar a investigação com outros exames).

2 – pessoas com TSH normal e T4l no limite inferior [infelizmente temos visto a conduta de repor hormônio nesta situação. Além de não haver nenhuma indicação, tal conduta coloca o paciente em risco de evoluir com hipertireoidismo iatrogenico (por erro médico).

3 – pessoas com sintomas de hipotireoidismo e exames laboratoriais normais (outra prática crescente, porém inadequada e que oferecerá riscos ao paciente. Devemos nos lembrar que sintomas como cansaço, queda de cabelos, ganho de peso, ressecamento da pele, e outros pode ser devida a outros problemas que deverão ser investigados se os exames laboratoriais da função tireoidiana forem normais).

Em resumo, há que se ter muita cautela e conhecimento para definir o diagnóstico de disfunção tireodiana, em qualquer faixa etária.
Matéria escrita pela médica endocrinologista Patrícia Peixoto

Vania Carvalho

Escrito por Vania Carvalho

Campista, caçula de uma família de 9 filhos, casada há 23 anos com o advogado Ralph Pessanha e mãe de Bianca e Bruno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *