Moda

Moda: com que roupa eu vou?

O TRAJE PARA CADA EVENTO

Tem coisa melhor que estar entre amigos? Se o motivo do encontro for uma comemoração, melhor ainda. Somente a palavra festa já faz os olhos brilharem, o astral mudar e a alma se animar.

O tipo de celebração está intimamente relacionado com a precedência e formalidade do convite e também com a roupa a ser usada. Preste atenção para não errar e fazer feio.

Lembre-se de que quanto mais informal for o evento, menos tempo é necessário para o convite ser feito. A partir da formalidade, a necessidade de antecedência urge devido aos preparativos necessários, como reservas de hotéis, licenças no trabalho, marcação de cabeleireiros, maquiadores, roupas exclusivas em alfaiatarias que exigem muitas provas.

Esporte

Esta é a ocasião de menos formalidade. O traje esporte geralmente é solicitado sobretudo em churrascos em clubes e residências. Muitas pessoas erram nestes eventos porque acreditam que não é preciso estar
arrumado, se a simplicidade é o tom.

Mas é claro que é necessário se arrumar. Porém, mulheres podem dispensar saltos e os rapazes podem abusar de tênis e mocassim. Também são bem vindos shorts.

Para que o look esportivo fique mais “arrumadinho”, as meninas podem utilizar sandálias de salto com o short jeans ou minissaia. Evitem o look desleixado, principalmente adotado pelos rapazes, com camisas regatas e sandálias de dedo.

Esporte fino

Este traje é o ideal para um happy hour com amigos, o famoso “bota-fora” de alguém que está migrando de empresa, para open houses e comemorações de aniversário em restaurantes.

Até vale ir de calça jeans, quebrando a informalidade com uma camisa de bom tecido e um saltinho. Os rapazes, por exemplo, ficam ótimos com o jeans escuro (sem tinturas e rasgos) e uma camisa.

Aqui não há necessidade de gravata ou terno. Pode-se usar o blazer em tecido diferente da calça.

Passeio

Quanto maior a formalidade, maior o salto e menor a bolsa. No traje passeio, a formalidade começa a se impor. Em encontros que pedem trajes como esporte e esporte fino, o convite pode ser feito de boca com
uma semana ou apenas uns 4 dias de antecedência.

A partir do passeio, pede-se convite impresso entregue em mãos pelo menos 15 dias antes da data. Casamentos de dia, coquetéis de inauguração de empresas, alguns aniversários mais sofisticados em salões exigem este traje.

Aqui, jeans nem pensar. Os tecidos precisam ser mais sofisticados, como rendas e sedas. O comprimento não é uma exigência mas ainda não está na hora de tirar o vestido longo do armário.

As mais novas podem usar mini. As senhoras podem optar por saias na altura do joelho ou até o longuete. Também é possível investir num terninho alinhado. Saltos médios são permitidos e bolsas pequenas.

Os rapazes já devem usar terno (calça e casaco de cor e tecido únicos). A gravata também é imprescindível.

Passeio completo

Se o traje solicitado no convite (entregue com um mês de antecedência) é passeio completo, o vestido longo é essencial. Tecidos continuam sendo dos mais finos.

O salto pode aumentar de tamanho. Para rapazes, o figurino é o mesmo do passeio.

BLACK TIE

Festas cujo traje exigido é o black tie são de maior formalidade, onde os rapazes usam smoking e gravata borboleta. O smoking pedido é na cor preta, no máximo vale usar um marinho, bem escuro, com lapelas em
seda ou cetim.

A camisa branca tem a frente trabalhada em finas nervuras. São roupas exigidas em formaturas e casamentos elegantes. As mulheres podem esbanjar na sofisticação, usando peles (sintéticas, hoje é gafe matar um animalzinho pra ostentar) e muito brilho.

Gala

O traje gala é o primor da elegância. Geralmente é exigido em eventos no red carpet (tapete vermelho) como os prêmios do cinema e da música, além de casamentos da nobreza.

Aqui é gafe usar duas peças para as mulheres. A exigência é um vestido de corte único. Os homens podem usar casaca (aquele casaco que lembra um pinguim) ou smoking.

Todos os exageros são bem vindos. Jóias suntuosas, brilhos nas roupas e todos aqueles looks extravagantes dos estilistas nas passarelas. Mas, claro, com bom senso.

Porém, meninas, lembrem-se que se houver uma princesa ou rainha no salão, usar tiaras é direito exclusivamente delas, e apenas das casadas.

Etiqueta

Etiqueta: cumprimentar de forma correta

COMO VAI VOCÊ?
Cumprimentar de forma correta é um ato de elegância. Quantas pessoas entram nos supermercados, shoppings e agências bancárias sem ao menos acenar com a cabeça para o segurança que fica na recepção?

Funcionários de serviço de limpeza são transparentes para você? Então, amigo, comece a desconfiar do seu grau de etiqueta. A pessoa verdadeiramente cordial cumprimenta a todos, independente do grau de intimidade ou da classe social.

CUMPRIMENTOS DIFERENCIADOS
É claro que não cumprimentamos a todos da mesma forma. Há diferenças de acordo com o grau de intimidade. Com os mais chegados, podemos cumprimentar com beijos no rosto.

Mas este tratamento não é aconselhado em reuniões formais de trabalho, por exemplo, onde o mais correto seria o aperto de mão.

CUMPRIMENTANDO UMA MULHER
A mulher define o grau de intimidade com que será cumprimentada. É ela quem deve estender a mão, indicando que aceita este tipo de cumprimento. Se não fizer isso, o homem a cumprimentará apena com um aceno na cabeça e com palavras: “Como vai a senhora?”

Se a mulher estiver sentada e um homem se aproximar, ela não precisa se levantar para cumprimenta-lo, mesmo que todos os demais membros da mesa (sendo homens) se levantem. Claro que, se for uma pessoa idosa ou o anfitrião da festa ou homenageado, a mulher deve ter a consideração de se levantar para o cumprimento.

SEM TOQUES
Há pessoas altamente sinestésicas que adoram o toque. Mas há aqueles que odeiam e o consideram inadequado. O correto é evitar tocar no seu interlocutor enquanto conversam. Homens, não coloquem a mão na perna da mulher que está em sua carona. Nunca!

CUMPRIMENTE COM SATISFAÇÃO
Algumas pessoas seguram uma mão de forma tão fraquinha que parecem não estar a fim daquele cumprimento. Segure com vigor e com sorrisos, demonstrando que é um prazer encontra-lo ali. Nunca cumprimente com sorrisos tortos ou irônicos. É feio, altamente deselegante, depõe contra você.

A ANFITRIÃ EM PRIMEIRO LUGAR
Já falei aqui em outras ocasiões. Cumprimente sempre o dono da festa ou da casa ao chegar num evento. Depois fale com os demais presentes.

DO MENOR AO MAIOR
É sempre o menos importante que se refere ao mais importante. O jovem ao idoso, o homem à mulher, o empregado ao patrão. Na hora da presentação, lembre-se disso.

Apresente o menos famoso ao famoso e por aí em diante. Quanto ao beijo, a pessoa mais importante toma a iniciativa, demonstrando que nível de intimidade ela aceitará. 

BEIJA MÃO
O homem elegante pode pegar a mão de uma mulher e se curvar para beijá-la. Não levanta a mão até sua boca, mas ele se curva. Porém, não encosta os lábios em sua pele dando um estalo lambuzado. Apenas aproxima. Por falar em beija-mão, uma pessoa não religiosa não é obrigada a beijar a mão de uma autoridade eclesiástica, apenas quem pactua com aquela crença.

Etiqueta

​As etapas da refeição à moda francesa

As 7 etapas da refeição

​Ao ver pequenas porções nos pratos franceses, você pode pensar que​francês não gosta de comida. Mas engana-se redondamente quem pensa​ que francês come pouco.

O francês ama comida. Tanto que o serviço mais​ requintado é o da terra do rio Sena. Na França, horário de almoço é​ sagrado. Para tudo para que a família ou colegas de trabalho se reúnem​ em torno de um, não, vários pratos. Sim, a refeição tradicional francesa​ tem sete etapas.

Não se assuste

Conhecer as etapas da refeição francesa não é nenhum bicho de sete​ cabeças. Antes do prato principal com suas guarnições, vem a entrada. A​ entrada fria antecede a entrada quente.

salad

Por exemplo, se houver salada e sopa, sabe-se que a saladinha será servida antes da sopa, ou creme, ou​ consomé. Simples assim. Lembra daquela mesa farta de frios quando você​ vai a um casamento ou formatura?

Aquilo é exatamente a entrada, que é​ servida num prato menor. Nem sempre o prato está sobre o prato​ principal, na sua mesa. Ele pode estar ali, na mesa de frios, ou numa mesa​ de apoio próxima. O couvert também é uma entrada fria.

Prato principal

O prato principal é uma carne, em geral. Se forem servidos os três tipos de​ carne, lembre-se desta ordem: primeiro o peixe, em seguida a ave, por​ último a carne vermelha.

Mas a etiqueta manda você optar por apenas​ uma delas, ok, glutão? E as guarnições acompanham. Elas podem ser o​ arroz (ou risoto, ou massa), uma batata ou qualquer outro carboidrato,​ por exemplo.

Queijos

Os franceses gostam tanto de queijo que eles se fazem presentes na​ refeição, logo após o prato principal. Basta uma fatia, que pode ser​ apresentada com uma cobertura de geleia. Quem já foi a um cruzeiro, por
exemplo, acompanhou todas estas etapas.

Sobremesa

Todo mundo sabe a hora de comer a sobremesa. É quando você já comeu​ tudo o que é de sal. Na hora de servir a sobremesa em casa, é preciso​ recolher da mesa tudo o que acompanhou os pratos salgados.

Retire não​ apenas as travessas (se você as dispôs à mesa, como é comum no serviço​ informal brasileiro), como também azeite, saleiro, molhos etc..​

Licor e café

É exatamente nesta ordem. Primeiro o licor. Por último o cafezinho, que​ fecha a refeição. Se estiver em casa, você pode levar seus convidados para​ a sala de estar e servir ali o licor e o café.

Também pode deixar numa mesa de apoio o licor cercado de petit fours e também o cafezinho com​ pequenos chocolates, sobretudo amargos ou de menta. Hummmmm… Ficou com vontade?

Comportamento

Comportamento: me dá uma carona aí?

​Angélica ia de táxi. Mesmo em tempos de Uber, 99, Moby, bla bla car e​ tantas opções que a tecnologia proporciona, muita gente gosta mesmo é​ de ir de carona. Nada mal ser carona ou oferecer uma carona. Mas dá pra​ ser elegante ou bastante incoerente nestas horas. Quer ver só?

Nada de comidas e bebidas

Não é elegante comer andando pela rua ou dentro de um automóvel.​ Lugar de comer é à mesa. Se você está de carona, piorou. Jamais abra um​ pacote de biscoito ou uma garrafinha de refrigerantes quando estiver nesta situação.

Aquela empadinha que suja tudo e que deixa um cheirinho​ de camarão impregnado, nem pensar. Há pessoas que ficam bastante​ irritadas com esta atitude. Se tem crianças, não deixe que coloquem o pé​ no banco da frente.

Destino iguais

Em primeiro lugar, carona é mais para oferecer do que para pedir. Mas há​ exceções, claro, principalmente quando há muita intimidade e quando​ você sabe que o destino da pessoa é o mesmo que o seu.

Porém, é muito​ inconveniente alguém que mora no oposto de você, estar sempre pedindo​ uma “carona” para casa. Uma vez ou outra pode ser necessário. Mas​ quando vira rotina, corre o risco de se tornar uma pessoa evitável.

No portão

Se você é o motorista, nunca se esqueça que uma pessoa elegante não​ conhece esquina. Tem que pegar e deixar na porta de casa, sobretudo à​ noite. E esperar a pessoa abrir o portão para você seguir adiante. Se você​ é a carona, mande um zap perguntando se o outro chegou bem. É gentil.

Pontualidade

Oferecendo ou recebendo carona, seja pontual. Se você é carona, seja​ mais pontual ainda. É muito desagradável ter que esperar pela carona que​ nunca chega, principalmente em ruas movimentadas onde é impossível​ estacionar.

Mil pedidos

E aquela carona que te pede pra dar uma passadinha em vários lugares?​ Ou que ainda chega de surpresa com uma ou duas amigas que moram​ também em opostos? É para uma vez e nunca mais!

Atenção

P.S.​ Nunca pegue carona com estranhos. Não é por etiqueta. É por segurança!​ Não peça nem ofereça carona em carros oficiais. É ilegal. Não peça carona​ ao sexo oposto casado, pode gerar brigas.

Não atenda o celular em alto​ som nem peça pra mudar o som! Nunca! Use o cinto de segurança. Carona​ de moto sem capacete também não dá. Também não apareça com seu​ animalzinho sem avisar.

Etiqueta

Como ser educado sempre

Mostre educação mesmo a quatro chaves

Íntimo

Existe lugar de mais intimidade que o banheiro? Pois então, utilize-o​ realmente para sua privacidade. Ninguém precisa saber o que você faz ai​ dentro. Por isso, te darei dois conselhos básicos:

Local do crime

Primeiro, use o banheiro como o local de um crime. Não deixe vestígios de​ sua presença. Sujou? Limpe. Abriu? Feche. Nada de toalhas emboladas​ depois do uso, tapete amassado, cabelos pelo chão, piso ou pia molhados,​ vaso com a tampa levantada.

Vá sozinho

Não estou falando em uma amiga, na festa ou restaurante, te acompanhar​ até a área comum. Mas não precisa entrar com você no box do vaso, não​ é? Nem mesmo convidar a visita da sua casa para entrar com você no​ banheiro.

Particularmente, sou bastante contra aqueles projetos​ arquitetônicos com duas cubas na pia. Servem pra quê? Pra um ficar​ assistindo ao outro cheio de espumas na boca? Acaba com qualquer​romantismo.

O sabonete

Nunca use o sabonete do rosto para tomar banho. Aliás, o mais indicado e​ higiênico é disponibilizar sabonete líquido para as mãos e o rosto. Como​ este sabonete e usado por muitas pessoas (família toda e ainda pelas
visitas), é o mais correto.

Para o banho, o ideal é que cada pessoa tenha o​ seu. Se não for o caso, lembre-se de que passamos o sabonete nas mãos e​ a espuma no corpo. Terminou de usar, deixe o sabonete ​perfeitamente​ limpo, sem espumas.

O vaso

Meninos, xixi não é whisky. Não fica melhor com o tempo. As coisas só​ pioram. É tão difícil assim apertar um botãozinho chamado descarga?​ Sobre o assento do vaso, ele só precisa estar levantado enquanto você o
utiliza. Terminou, deixa na posição devida: fechado.​ 

Papel higiênico

Uma boa dona-de-casa nunca deixa este item faltar. E ainda deixa rolos de​ reserva à vista. Não há nada mais desagradável que descobrir que não há​ papel na hora de usá-lo.

Não coloque o rolo lacrado para o uso. Jogue o​ primeiro pedacinho fora. Se preferir, pode fazer um triângulo na ponta,​ uma técnica japonesa. E nunca esqueça: Não use o papel amassado, mas​ dobrado. Jogue na lixeira com a sujeira para baixo.

Espaço de todos

Não use o banheiro como se ele fosse só seu. É um grande desrespeito,​ principalmente se há fila para o toilette ou se há mais gente querendo​ entrar no banho. Na casa de alguém, jamais demore no chuveiro quente​ ou se sinta tão à vontade a ponto de cantar alto.